Archive by Author

Compras: Outlets em Orlando

27 jan

 

Chegamos a um assunto que amo: barganhas. Nada melhor do que garimpar e achar aquela super peça com um precinho bem camarada, não é mesmo? E não existe lugar melhor no mundo para isso do que um outlet. Hoje vou falar de dois outlets em Orlando, superbacanas, que vão te deixar arrepiada. Onde você pode comprar peças de grife a preço de lojas de departamento mais, digamos, modestas? Fique com a gente, leia até o final e descubra! Vamos lá então!

Prime Outlet

Este foi o primeiro que visitei em Orlando – e o que mais fez estrago no meu bolso. Todas as lojas que eu gosto estavam ali. O Prime conta com cerca de 200 lojas, entre elas: 2b Bebe, 7 For all Mankind, Adidas, Calvin Klein, DKNY, Forever 21, GAP, Juicy Couture, Lacoste, Levi´s, Michael Kors, Oakley, Tommy Hilfiger, Victoria´s Secret, Saks Fifth Avenue, Fossil, Guess e The Cosmetic Company Store (para comprar Lancôme e Clinique), minhas preferidas.

DICA 1: Assim que chegar no outlet, vá para o bureau de informação ou peça para o seu guia pegar o mapa e o livrinho de descontos. No Woodburry Commons, em NY (falarei dele numa próxima), você pega um livrinho mesmo, cheeeeio de ofertas, que vão de 10% em compras acima de 100 dólares, 50% off em qualquer compra e por aí vai, depende do que as lojas estiverem propondo. Aqui no Prime também foi um livrinho; no Premium, se não me engano, era um folheto com vários quadradinhos destacáveis. Todos esses outlets são da mesma rede, a Premium Outlets, então o esquema é o mesmo.

DICA 2: como não sei quanto tempo você vai ter e se vai sozinho ou com grupo, ao pegar o mapa, já marque as lojas que tem interesse e se organize. Pode cansar muito ficar passeando aleatoriamente e outlet não é um simples passeio no shopping. Encare isso como uma atividade profissional, foque-se no que tem que fazer e força na peruca, pra não perder tempo – e tempo aqui é, realmente, dinheiro.

Comecei pela Guess e fui passando pela The Cosmetic Company Store (do ladinho), Tommy, GAP, 2b Bebe e fui fazendo a festa. O que vale a pena comprar? Peças clássicas, sempre; casacos, jeans (recomendadíssimos) e acessórios. Nem pense em sair de um outlet sem pelo menos uns 4 pares de jeans, um bom casaco, uma pólo clássica, um óculos e um par de tênis.

Quando você entrar numa loja e achar que um jeans Armani de U$ 39,00, um Calvin Klein a U$ 60,00 ou um Diesel a U$ 100,00 está caro, é porque você já está no clima e, é claro, muito mal acostumada! Tudo isso é real e eis aqui uma das minhas etiquetas pra comprovar: jeans Armani a U$ 19,00. E liiindo! Manchado na medida certa, corte impecável.

Não deixe de passar na Forever 21. Comprei vestidos a U$ 9,00 ( isso mesmo, NOVE dólares) e bijoux a partir de U$ 3,00 (tudo bem que a qualidade é questionável, mas por esse preço a gente até aceita que seja descartável vai…..).

Na Victoria´s Secret os cosméticos são tabelados. Então aproveite pra comprar os tradicionais ou então os lançamentos como este abaixo. As lingeries são uma boa pedida – peguei uma promo de 7 unidades por U$ 25,00.

A Tommy foi a grande sacada. Blusas a U$ 9,00; casacos a U$ 39,00; pólos a U$ 20,00. A bagatela da vez foi uma bolsa pequena por  U$ 14,00 que está sendo pra lá de útil agora.

Lembram do trench coat que falei nesse post ? Então, ta aí um pedacinho dele. Impecável, acabamento maravilhoso por menos de U$ 50,00. Comprei alguns vestidos lá também, bem baratos, vale a pena. Os jeans são muito escandalosos, se você for do tipo mais básica, recomendo Calvin Klein e DKNY (que contava com jeans de U$ 17,00 a U$ 59,00).

Premium Outlet

O bom de fazer compras em Orlando é que, além dos outlets, o imposto é baixíssimo. Você paga 6% sobre o valor da etiqueta, porém, este é o único imposto que você vai pagar. Então, lembre-se: tem mais 6% além daquele precinho fabuloso que você está vendo ali, espremendo os olhos pra ver se está vendo certo mesmo, se é real.

Não comprei tantas coisas no Premium (pode entrar no mesmo site do Prime e lá você achará o Premium na International Drive). Estava cansada, tinha acabado de voltar da Universal e estava passando por uma torcicolo dos diabos, de tanto carregar a câmera. Como em seguida eu iria para NY e Canadá e já sabia de antemão que iria no Woodburry lá, ative-me ao que realmente interessava. The Cosmetic Company Store estava com uma promo imperdível de batons nude da Lancôme que iam de U$ 6,00 a U$ 9,00. Isso tudo porque a MAC havia acabado de lançar o vermelho Lady Gaga e, em NY, presenciei fila pra comprar tal produto. Resultado: todos os tons nude encalharam naquela semana, para a minha alegria.

Quase todas as lojas que tem no Prime tem também no Premium (com exceção da Victoria´s Secret). Os meninos que estavam no grupo da agência onde trabalho se acabaram nas compras: dois pares de tênis Adidas ou Reef a U$ 50,00; camisetas Quicksilver a U$ 12,00 (pasmem, DOZE dólares! Quanto é mesmo aqui no Brasil? 120?) e por aí vai, sem mencionar os eletrônicos (também tem lojas de eletrônicos nos outlets).

DICA 3: quanto eu devo levar? Honestamente falando, com U$ 1.000,00 você faz A FESTA. Mesmo. Eu não sei ao certo quanto gastei, porque tenho ido com certa freqüência, mas te digo que esse valor é bacana e plausível. Quanto mais, melhor, óbvio. Mas com mil dólares você não passará vontade e trará presentes para a família toda.

DICA 4: Algumas épocas são melhores para compras. Gosto de março (promos de inverno), setembro (você encontra tanto roupas de verão como de inverno) e novembro, no Thanksgiving (a Black Friday é uma loucura, chega a 90% off em tudo, mas só aconselho se você não for cardíaco). Julho é mais complicado – como muita gente vai e é alto verão, talvez seja meio desgastante e nem tenha tantas barganhas. Mesmo assim será barateza.

Por fim, espero que as dicas tenham sido úteis, que eu tenha conseguido te provocar, que você esteja procurando passagem agora mesmo e, já sabe, se precisar de companhia, só chamar!!!

Disney Parks 1 – Magic Kingdom

3 dez

Que tal darmos uma folguinha para a nossa amiga Anna e resolvermos comparecer mais aqui no blog? Excelente! Vamos lá!

Depois de um longo período de ausência no nosso querido Finestrino, vou falar sobre um tema que muito me agrada: Disney.

Qual criança nunca sonhou em conhecer este mundo mágico idealizado por Walt Disney? Com a chegada das férias, nada mais interessante do que falar um pouquinho sobre sonhos, magia e claro, viagens!

Hoje, no blog, o meu parque preferido- Magic Kingdom – e vocês já vão entender o porquê.

Quem conhece a cidade de Orlando sabe: lá tudo é longe. E por longe entenda-se pegar rodovias, pedágios….. Os parques da Disney não estão localizados na parte central de Orlando, mas sim em Lake Buena Vista.

Para chegar até eles existem várias opções. Se você estiver hospedado em um hotel dentro do Resort Disney, você terá transporte gratuito para os parques Disney (Universal Studios, Sea World e Busch Gardens, por exemplo, não contam). São ônibus coloridos que partem o tempo todo dos hotéis para os parques. Se você estiver hospedado em um hotel de luxo, como o Grand Floridian, você poderá ir de Monorail partindo de dentro do hotel! São vagões que cabem confortavelmente até 8 pessoas, bacana, e, de fato superrápido. Dá uma olhadinha na vista:

Estação

Entrando em um dos vagões

Vista do vagão: Grand Floridian

 

Caso esteja de carro, terá que pagar estacionamento (em torno de US$ 20,00).

Para pessoas com necessidades especiais, o parque dispões de toda a estrutura necessária – cadeiras de roda, motorizadas, medical center, cadeiras para bebês…….então, pode ficar tranquilo!).

O Magic Kingdom é um parque enorme, mesmo. Aconselho a, assim que chegar, pegar um mapinha. É dividido em 7 regiões (no sentido horário): Main Street, Adventureland, Frontierland, Liberty Square, Fantasyland, Mickey’s Toontown Fair e Tomorrowland.

Eis o mapinha (e mesmo o usando em algum momento você vai se perder, já antecipo…)

Entrada do Parque

 

Main Street – U.S.A

 

É a rua principal e a primeira coisa que você vai ver ao entrar. Formada por lojinhas de vitrines incríveis e restaurantes descolados, termina com a estátua de Walt Disney e, ao fundo, o castelo da Cinderella. Quando estive lá, em setembro, tudo estava decorado para o Halloween. Aconselho a comer um hot dog no “Casey’s Corner” (de $ 14,99 para menos) ou, se quiser fazer sua refeição em um buffet na presenca de personagens Disney, desembolse um pouquinho mais e vá no “The Crystal Palace” (de $36 a $59,99).

 

Batendo um papinho com Walt e Minnie

 

Lojinhas e restaurantes

 

Família sendo fotografada (você compra as fotos na saída do Parque)

 

Cinema

 

Final da Main Street

 

Jardim do Mickey

 

Adventureland

 

“Piratas do Caribe”

Como o nome já diz, a terra da aventura. Neste setor estão os Piratas do Caribe e a atração do Aladdin. Você pode tirar foto com o boneco de cera do Jack Sparrow e se divertir em um vôo simulado em um tapete voador junto com Aladdin. Tirar fotos divertidas também é uma boa pedida!

Se quiser, tome um sorvetinho ou um cappuccino no “Sunshine Tree Terrace” (de $14,99 para menos) ou entre no clima e vá de mexicano no “El Pirata y el Perico Restaurante” ($14,99 para menos, mas atenção que este só fica aberto em alta temporada).

 

Frontierland

 

Adoooro! É aqui que se encontra a famosa Splash Mountain. Considerada por muitos já ultrapassada, ainda é superdivertida e vale sim muito a pena. Vai sair de lá molhado? Vai. Vai se divertir? Horrores! Dica: quando estiver saindo da atração pare para a ver a sua foto no momento da queda!  É aqui também que se encontra a ilha de Tom Sawyer, a qual você pode explorar!

 

“Caminho para as atrações”

Os restaurantes dessa região são super bonitinhos, mas não comi em nenhum, então não posso indicar….

 

Liberty Square

 

Lindinho e com um ar supereuropeu – Alemão-Irlandês diga-se de passagem – a Liberty Square conta com “The Hall of Presidents”- uma atração audio-animatrionica com a apresentação de ninguém menos do que Barack Obama, o “Liberty Square Riverboat “, um barco liiindo que passeia  pela lagoa que cerca a Frontierland e a Fantasyland, e a incrível “Haunted Mansion”, uma mansão assombrada por fantasmas fanfarrões. Dá pra levar altos sustos, bem divertido.

Lojinhas que vendem coisas de Natal, o ano todo!

 

“Hall of Presidents”

 

“Riverboat”

 

“Liberty Bell”

 

Aproveite para tirar fotos engraçadas!

 

“Haunted Mansion”

 

“Columbia Harbour House”

Conselho gastronômico? Claro! Vá no “Sleepy Hollow” comer um bolinho com sorvete e ser feliz (de $14,99 para menos).

 

Fantasyland

 

 

Aaaamo! Nada tem mais a cara da Disney do que a Fantasyland. Todos os clássicos estão aqui.

Pra começar, dentro do castelo da Cinderella (inspirado em um castelo de verdade que a Fe falou aqui) está a “Bibbidi Bobbidi Boutique”, onde as meninas realizam o sonho de se transformar em princesas. Cabelos, unhas, vestidinho, tudo! Pode-se escolher um dos pacotes de itens e sair de lá princesíssima! Claro que tudo tem um custo e o pacote completo pode sair em torno de $180,00.

 

“Cinderella´s Castle”

 

Nesse setor você encontra as atrações ” It’s a Small World” (musical), “Peter Pan’s Flight” (um simulador de vôo), “Mickey’s PhilharMagic (um filme 3D), “Dream Along With Mickey” (musical), “Fairytale Garden” (contação de história com a Bella), “Snow White’s Scary Adventures” (uma viagem pelo escuro com audiotour), “Prince Charming Regal Carrousel” (carrossel mesmo), “Dumbo the Flying Elephant” (brinquedo tipo aviãozinho), “The Many Adventures of Winnie the Pooh” (brinquedo flutuante de ar, acolchoado, no estilo pula-pula, com várias aventuras) e “Mad Tea Party” (as famosas xícaras que giram e giram e giram…).

 

“Peter Pan´s Flight”

 

“The Many Adventures of Winnie the Pooh”

 

“Dumbo the Flying Elephant” e logo atrás o “Prince Charming Regal Carrousel”

 

“Mad Tea Party”

 

“Mad Tea Party”

No quesito comidinhas, só maravilhas!! Se você “tá podendo”, vá no “Cinderella’s Royal Table” (de $ 36,00 a $59,90) e você poderá comer acompanhado dos personagens Disney. Uma opção mais barata é o “The Pinocchio Village Haus” (até $14,99, em geral pizza e lanches). O mesmo preço serve para o “The Friar’s Nook”, que serve hot dogs, chips e bebidas do tipo “frozen”). O meu preferido do parque inteiro é o “Mrs. Pott’s Cupboard”, siiiiim, a Madame Samovar de ” A Bella e a Fera”. Trata-se de uma sorveteria com os melhores Milk-shakes e sorvetes ever!!!! Saborosíssimos!!! O preço máximo é $14,99. Na “Enchanted Groove” você encontrará bebibas da Minute Made, com valor máximo de $ 14,99.

“The Pinocchio Village Haus”

 

“The Friar’s Nook”

 

“Mrs. Pott’s Cupboard”: recomendadíssimo!!!

 

Mickey´s Toontown Fair

 

É a vila do Mickey! Aqui você encontra as casas do Mickey e da Minnie, o Hall da Fama, a “Walt Disney World Railroad”, o barco do Donald, e o “The Barnstormer at Goofy’s Wiseacre” (uma mini montanha russa pra crianças pequenas). Aproveite pra mexer em tudo: na casa da Minnie, abra a geladeira, veja as pipoquihas estourando no microondas, tire fotos no sofá, afinal, a anfitriã quer mesmo que você se sinta à vontade!!!

“Posto de Gasolina do Bafo”

 

“Casa da Minnie”

 

“Comendo biscoitinhos na casa da Minnie”

 

“Casa do Mickey, vizinho da Minnie”

 

Nem preciso dizer que é do Pateta, certo?

 

Tomorrowland

 

A parte futurística do Magic Kingdom. Aqui tudo simula progresso, robótica, tecnologia. As atrações aqui são a “Tomorrowland Speedway” (corrida de carros- racecar), “Space Mountain” (montanha russa indoor, toda no escuro!! Recomendo!), “Astro Orbiter” (voo numa nave espacial), “Tomorrowland Transit Authority” (passeie pela Tomorrowland patrocinado pela Alamo Rent a Car), “Walt Disney’s Carrousel of Progress” (atração audio-animatrônica), “Buzz Lightyear’s Space Ranger Spin” (aventura intergalática interativa baseada no Toy Story 2, muito legal!!!), “Monsters, Inc. Laugh Floor” (lembra do Monstros S.A. não é? Então, aqui, quanto mais você ri, mais ajuda a companhia de energia de Monstrópolis. Seu anfitrião será Mike Wazowski – o bolinha amarela-verde de um olho só).

 

Entrada da Tomorrowland

Rua principal

Atração do “Monstros S.A.”

“Space Mountain”

Minha única foto decente em montanhas-russas

Pra comer, todas as opções são baratinhas, até $ 14,99. “Cosmic Ray’s Starlight Cafe”, “The Lunching Pad”, “Tomorrowland Terrace” e “Auntie Gravity’s galactic Goodies” são as opções. Nesta última, prove o “Cherry Eclipse”, uma bebida gaseificada congelada que mistura Sprite e Cereja. Eu amei.

Não perca amanhã a continuação deste post – Magic Kingdom à noite!! Com os desfiles (paradas), lojinhas e os shows de fogos!!

NYPass x CityPass

3 set

Uma opção muito interessante para quem vai viajar para um grande centro é comprar o passe da cidade. Eles existem nas mais diversas localidades e levam o nome da cidade + o termo “Pass” – MontrealPass, LondonPass, ChicagoPass……Em New York você vai encontrar dois tipos de passes: O NYPass e o CityPass (este último também existe em cidades como Los Angeles, por exemplo). Em ambos os casos, as vantagens são tentadoras: você evita filas, paga menos por cada atração (se for botar na ponta do lápis) e, com um passe único, entra em diversos museus e atrações, o que é superprático.

Mas qual é a melhor opção pra minha viagem? Vou explicar como funciona cada um pra você ver qual melhor se adapta as suas necessidades e preferências, ok? Ok! Vamos lá!

Começarei pelo Citypass. Por US$ 79,00 (para adultos), o passe dá direito a 6 atrações – 4 fixas e 2 a sua escolha. Fazem parte das atrações fixas o Empire State Building (ingresso e audiotour) e três dos principais museus: MET (Metropolitan Museum localizado no Central Park) e  Cloisters (que é o acervo de arte medieval do MET, localizado em outro prédio, ao norte de Manhattan, no Bronx); American Museum of Natural History (siiiim, aquele do Tiranossauro, do filme Uma Noite no Museu…..) e o MoMA (Museum of Modern Art). As atrações seguintes, você pode escolher: Statue of Liberty & Ellis Island ou Circle Line Sightseeing Cruises (passeio de 2h pela ilha); Guggenheim Museum ou Top of The Rock.

Ao contrário do NYPass (que veremos a seguir), o CityPass não é um ingresso único; é um bloquinho com tickets que você vai destacando conforme o uso. A validade dos tickets é de 10 dias consecutivos a partir do primeiro dia de uso e não do dia da compra, ou seja, só passa a valer a partir da sua primeira atração visitada. Acompanhando o bloquinho, vem um guia explicativo das atrações e eventualmente cupons de descontos em lojas. Só é permitida 1 única entrada em cada atração, então, escolha bem e vá preparado!

Você pode adquirir o CityPass aqui do Brasil mesmo, pela internet, fazendo uso de cartão de crédito internacional e optando entre receber via correio ou retirar lá, em um dos pontos de venda. Se optar por retirar lá, não se esqueça de levar consigo o comprovante de pagamento enviado para o seu email. Comprar lá é uma boa opção, mas acrescido a esse valor tem a taxa do Estado de NY, que gira em torno de 10%.

O NyPass custa US$ 165,00 dólares, tarifa regular para adulto. Agora, como é final de verão, está acontecendo a “Special Summer Sale” e o preço caiu para US$ 152,00. É um ticket único, com chip, e dá direito a 55 atrações, incluindo todas as do CityPass, com a vantagem de que você não precisa optar entre uma e outra. Porém, só é válido por 7 dias consecutivos a partir do primeiro dia de uso e permite apenas 1 entrada por atração. O que tem de diferente e que, na minha opinião, vale muito a pena, são as exposições “Bodies, The Exibition” (aquela mesma, dos corpos dissecados e tal, in-crí-vel) e “King Tut” (egípcia). Fazem parte também da seleção de museus o Madame Tussauds, Museu da Cidade de NY, Brooklyn Museum e o The Museum of Sex. Imperdíveis também o NY Botanical Garden (lindíssimo) e o NY Aquarium, no Brooklyn.

Para quem adora um tour, você pode fazer o do Madison Square Garden – palco de grandes shows e jogos – e o da NBC Studios e ver onde são gravadas suas séries favoritas. A loja de souvenirs é uma tentação, mesmo!

Pra quem curte velejar – e em NY essa opção é mais que perfeita, já que vento é o que não falta –  há duas opções: Shearwater Sailing (partindo do Battery Park) e Clipper City Tall Ship Cruises (partindo do Pier 17, em Seaport).

Há ainda os tours gastronômicos e de compras.

A forma de aquisição do passe é a mesma do Citypass e, caso compre antes, você pode retirá-lo lá no Planet Hollywood da Times Sq. Existem vários outros tipos de passe no mesmo site e você pode comprar o que lhe for mais conveniente. Todos vem com um livrinho com dicas, horários e descontos para  transporte e compras no Woodburry Commons Outlet.

Se você for passar 1 semaninha e tiver muita vontade e muita perna, o NYPass pode ser a sua opção. Se você já foi a NY ou é a primeira vez mas só quer fazer os passeios essências e deixar a cidade te levar, o CiTyPass pode ser melhor. Tudo depende de como você costuma se organizar para viajar, o que gosta de fazer……

Particularmente aconselho a escolher um dos passes e montar seu itinerário a partir das atrações nele inclusas e que você quer muito ver. Deixe os museus para o final da tarde, assim você passeia bastante à luz do dia e poupa energia, já que museu cansa horrores! (essa dica não vale para o Museu de História Natural, pois tem tanta coisa pra ver que é bom ir cedo).

Escolhida a sua opção, nós do Finestrino desejamos a você uma excelente viagem! (e depois dá uma passadinha aqui no blog pra dizer como foi sua experiência. Adoraaamos feedback!)

O Melhor Emprego do Mundo- Costa do Sauípe

17 ago

Lembram daquela promoção que anunciava o melhor emprego do mundo? De morar numa ilha do Pacífico como zelador e ficar 6 meses divulgando o lugar pela web?

Adivinha se não lançaram agora uma versão tupiniquim…….Pois é! Confira a reportagem publicada hoje no portal Yahoo Notícias:

A iniciativa é da rede de resorts Costa do Sauípe, que escolherá, num concurso cultural, um “hóspede-embaixador” com o papel de divulgar o resort nas redes sociais.

Por seis meses, o sortudo vai morar em um dos hotéis do complexo Costa do Sauípe, desfrutando de todo conforto, estrutura e mordomia. Em contrapartida, será responsável por alimentar as redes sociais com todas as novidades do local. Vida dura, não?

Mas, para chegar lá, os candidatos terão que provar suas habilidades como “repórteres digitais” em um concurso com votação popular. A ação também premiará o vencedor com um celular iPhone 3G, um netbook e uma câmera digital para registrar todos os momentos como hóspede, além de um salário mensal.

Para participar, o candidato deve inscrever-se até o dia 15 de setembro no site oficial. Os inscritos terão que enviar um vídeo respondendo à pergunta: “Por que você merece representar a Costa do Sauípe na Internet nos melhores seis meses da sua vida?”

Trinta vídeos serão escolhidos para a segunda fase. Estes selecionados terão 15 dias para apresentar mais cinco vídeos com depoimentos de amigos ou familiares, além de uma entrevista criativa com uma celebridade e uma reportagem turística. Os três finalistas viajarão para o resort na Bahia, onde produzirão uma pauta real e se relacionarão via web com o público que escolherá o vencedor.

O resultado do concurso será divulgado no dia 25 de outubro. Na sequência, haverá uma espécie de reality show virtual que dará aos internautas a chance de acompanhar o dia-a-dia do hóspede em seu novo emprego.

Legal, não?

Visto Australiano

13 ago

Gente, algumas coisinhas vão mudar para quem quer tirar o visto australiano. Acompanhem abaixo:

CIRCULAR DA EMBAIXADA DA AUSTRÁLIA


Quando terá início o processamento de visto sem a afixação da etiqueta do visto no passaporte?
A partir de 01 de setembro de 2010, a Seção de Vistos da Embaixada da Austrália em Brasília não irá emitir e afixar etiqueta de visto para os requerimentos de vistos temporários, por exemplo, visto de estudante, visto de negócios e visto de turismo.

Por que não emitir mais a etiqueta do visto?
Um grande número de cidadãos não australianos viajam para a Austrália e podem realizar o requerimento de visto através de processamento eletrônico (Online) e não necessita da etiqueta de visto afixado no passaporte. Embora essas facilidades ainda não estejam disponíveis no Brasil, a não emissão da etiqueta de visto é demonstração clara de  uma futura oportunidade para a  realização de requerimentos feitos eletronicamente. Isso também quer dizer que o requerente será imediatamente notificado sobre a concessão do visto logo após sua finalização. Tal procedimento também beneficia o requerente que deseja viajar para a Austrália com certa brevidade porque será informado sobre a concessão do mesmo tal logo ocorra.

Ainda é necessário o passaporte e o visto para viajar para a Austrália?
Sim. A única diferença está no fato de que o requerente não precisa mais enviar o passaporte junto ao requerimento. O visto estará vinculado ao passaporte do requerente no sistema de computação. O requerente necessita apresentar o passaporte no aeroporto para o embarque.

Quais os documentos o requerente deverá  enviar em substituição ao passaporte?
Ao invés de enviar o passaporte, o requerente deverá enviar cópia autenticada da página do passaporte contendo os dados pessoais (preferencialmente cópia colorida) e também cópia autenticada do documento de identificação (carteira de identidade). O requerente que apresentar cópias ilegíveis poderá ser solicitado a enviar outras cópias, acarretando atraso na análise do requerimento. Como parte da análise do requerimento, caso o requerente já tenha obtido vistos para outros países, poderá enviar cópias desses vistos em anexo ao seu requerimento de visto para a Austrália.

Como o requerente será  notificado da concessão do visto?
Quando o visto for concedido, o requerente, ou o receptor autorizado e/ou agente de imigração receberá uma carta de concessão pelos correios ou por email. Esta carta de notificação do visto será assinada pelo oficial de imigração. Objetivando o máximo de benefícios para o requerente, é da mais alta importância que o email para correspondência seja informado de forma bem legível no formulário de requerimento de visto, facilitando a notificação imediata da concessão do visto requerido.

E se o passaporte do requerente for enviado junto com o requerimento de visto a partir de 01 de setembro de 2010?
O passaporte será devolvido sem a etiqueta do visto. O requerente irá receber uma carta de notificação da concessão do visto. Esta carta será enviada junto com o passaporte do requerente. Tal procedimento poderá utilizar um tempo maior para a informação da concessão do visto.

Quais as nacionalidades que não precisam da etiqueta do visto?
Atualmente, somente os cidadãos de nacionalidades Brasileira, Argentina, Uruguaia e Paraguaia podem requerer visto temporário na Seção de Visto da Embaixada da Austrália em Brasília, sem a utilização da etiqueta de visto.
Cidadãos de outras nacionalidades que moram ou têm domicílio residencial no Brasil devem enviar o passaporte junto com o requerimento de visto.

O requerente terá  algum problema ao deixar o Brasil sem a etiqueta do visto australiano afixada no passaporte?
É muito pouco provável que o requerente que teve um visto concedido e não possua a etiqueta do mesmo no passaporte venha a ter algum problema ao deixar o Brasil.

E se o requerente obtiver um novo passaporte?
Se o visto concedido ainda estiver válido, mas não possuir a etiqueta de visto afixada no passaporte e o requerente obtiver um novo passaporte, o mesmo deverá informar a Seção de Visto em Brasília, ou estando em outra localidade, a Seção de Visto mais próxima. O requerente deve solicitar que o visto anteriormente concedido e ainda válido possa ser transferido para o novo passaporte. Requerente que porventura venha a obter outro passaporte e desejar entrar na Austrália, portando um visto válido no passaporte anterior, sem a etiqueta de visto, poderá encontrar algumas dificuldades ao tentar embarcar.

O requerente deve estar sempre de posse da carta de notificação da concessão do visto?
Não. As companhias aéreas vão verificar a concessão do visto do requerente antes do embarque para a Austrália. Os funcionários das companhias aéreas poderão expressar alguma preocupação quanto à concessão do visto até que os mesmos estejam habituados a nova prática. Portanto, o embarque será viabilizado com menos tempo se o requerente estiver de posse da carta de concessão do visto.

O requerente poderá  viajar para a Austrália, em trânsito por outros países sem a etiqueta afixada no passaporte?
Se o requerente necessitar ter em seu passaporte uma etiqueta de visto devido realização de trânsito em outro país, deverá então enviar o passaporte junto com o requerimento de visto e explicar o motivo.
Atualmente tais circunstâncias são observadas pelo requerente que viajará para a Austrália através dos Estados Unidos (USA). Requerente com visto concedido e transitando pela Argentina ou Chile não necessita de etiqueta de visto afixada no passaporte.

Todos os países da América do Sul concedem visto para a Austrália sem a afixação da etiqueta de visto?
Não. O procedimento da concessão de visto sem a impressão e a afixação da etiqueta é determinado por vários fatores. Até o momento, somente cidadãos do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai podem ter o visto concedido sem a impressão da etiqueta de visto.
Os funcionários do aeroporto estão cientes da concessão de visto sem a impressão e a afixação da etiqueta no passaporte?

Sim. A informação será concedida para os funcionários do aeroporto com o objetivo de esclarecer que os passageiros que viajarão para a Austrália podem ou não ter a etiqueta de visto afixada no passaporte. Os funcionários serão treinados para que tal procedimento tenha efeito.
Se o requerente tiver nas condições do visto concedido direito a trabalhar, como os empregadores na Austrália tomarão conhecimento de tal permissão?
Portadores de visto, empregadores Australianos, e agências governamentais podem verificar as informações estabelecidas no visto através do serviço online de verificações das condições descritas no visto pelo Departamento de Imigração (Department of Immigration’s online Visa Entitlement Verification Online (VEVO). O serviço VEVO esta disponível eletronicamente e permite que o portador do visto ou outras organizações possam conhecer as condições do visto concedido. Existem mais de 18000 organizações registradas usando o sistema VEVO. Os usuários são empregadores, as agências estaduais do governo, instituições educacionais e financeiras.

Como outros países poderão verificar que o requerente já viajou para a Austrália?
A Austrália tem controle das saídas e entradas dos portadores de visto. Carimbos identificando tal procedimento são colocados nos passaportes dos portadores de visto. Haverá um indicativo que a pessoa entrou e saiu da Austrália.  Não indicará, entretanto, com qual tipo de visto o portador do passaporte entrou na Austrália.

Compras Paraguai – Cosméticos

12 ago

PARA A NOVA VERSÃO DESTE POST, COM ATUALIZAÇÕES DE COMPRAS, CLIQUE AQUI NO ESPECIAL DE 01 ANO E BOAS COMPRAS!

Já que você foi para Foz, não custa nada dar uma passadinha no Paraguai, afinal, a fronteira é logo ali, não é mesmo? Pois é! Então hoje vou dar dicas sobre um segmento do qual entendo e adoro comprar: cosméticos. Mas vamos começar do começo.

Existem muitas formas de atravessar a fronteira para o paraíso do consumo: de van fretada, de carro, de mototáxi, de táxi, de ônibus de linha, à pé. Já testei todas e eis aqui algumas recomendações: pra mim, a melhor forma foi de ônibus de linha. Explico o porquê. Vans em geral são muito visadas, porque a galera abusa mesmo. Pra quê disputar espaço com TVs Full HD e ficar na mira dos policiais da fronteira, além de ter que esperar a galera que vai declarar se você só vai comprar uns inocentes creminhos??? Pra quem não sabe, o limite é de US$ 300,00 (se não passar disso, você não precisa enfrentar a fila de declaração de importação). Se registrada, essa cota é para 30 dias, ou seja, não adianta ir lá hoje, declarar e voltar amanhã com mais US$ 300,00 e declarar novamente. Entende agora porque ninguém quer declarar???De carro, você vai enfrentar um trânsito caótico no maior estilo Cairo, vai ter que procurar estacionamento, vai ter mais despesas, além do medo de atropelar uma das milhões de criancinhas que vendem chicletes, meias, pendrives e afins (me-do). Moto, se você vir o jeito que eles “pilotam”, vai entender porque nem considerei a hipótese; além disso, só serve se você estiver sozinho. Táxi também demora e só vale a pena estando de galera, pra rachar as despesas. O ônibus é O negócio minha gente, tanto na ida quanto na volta, você já vai descobrir. Ele parte de diversos pontos da cidade, todo mundo sabe te informar, e custa apenas R$ 3,30 por trecho. Lá na Cuidad Del Este é facílimo de pegar, você vai esbarrar neles toda hora. Por R$ 6,60 você vai e retorna ao Brasil feliz da vida e sem estresse.

Essas fotos são só pra você ter uma idéia do que vai encontrar pela frente: Ponte da Amizade e Ciudad Del Este.

Viu? Se por acaso você esta pensando que vai para um mega shopping, com ar condicionado e tal, nem saia de casa (ou só vá na Monalisa..). Se você a-do-ra garimpar, seu lugar é aqui!

Dicas importantes antes de começar sua aventura: não compre nada na rua. MESMO! Você correrá o risco de 99% do que comprar ser falso, ou ser um pendrive oco, sem HD, ou, se comprar meias, na hora que sacar a carteira, será a última vez que irá vê-la. Como evitar aborrecimentos? Bom senso. Aqui, mais do que nunca, será fundamental. Nunca tive nenhum problema, nunca comprei perfumes falsos, embalagens violadas, nada, então continue lendo para ser feliz  🙂

O ônibus vai te deixar na rua principal da Ciudad Del Este. Nada lá é plano, é tudo ladeira. Aconselho a começar por cima e ir descendo, porque, acredite, poucas horas depois você vai estar com a língua de fora.

O mapinha abaixo é pra te dar uma luz:

Então vamos lá! A Monalisa é, para mim, a melhor todas. Sabe um oásis no deserto? É bem isso mesmo. Você está lá, derretendo abaixo de sol, 40°, cuidando da bolsa, prestando atenção, procurando lugares e, de repente, entra num lugar enorme, shopping mesmo, com chão de mármore e ar condicionado. Vendedoras sorridentes, quiosques da Lancôme, Helena Rubinstein, Clinique, Cacharel, Dior, a preços surreais de tão lindos. Quando fui, em janeiro, a loja toda estava com 10% de desconto. Um esfoliante Lancôme que aqui você compra por R$ 150,00, paguei US$ 24,00 (sem o desconto!). Absurdo. Atenção especial para L’Oreal e Biotherm – estande enorme cheio de novidades. A loja tem uns 5 andares, roupas, acessórios, itens para casa, chocolates, tabacaria, óculos e relógios ……tem até um restaurante e um músico tocando piano.

Se você curte Adidas, Puma, Oakley  e Lacoste, reserve um tempinho que vale a pena. Dá pra pagar no cartão de crédito, em Real, Dólar e Guaranis. Achei engraçado quando emitiram a nota fiscal e veio em Dólar e Guaranis. Absurda a quantidade de números quando convertido para Guaranis, achei que estava devendo a alma, porque li rápido e não prestei atenção. A cotação do Dólar quando fui estava 1,83. Se comprasse em Real lá estava de 1,90 a 2,00. No Cartão dava 1,76. Se for um item pequeno, vale a pena em Real mesmo ou cartão (se você ficar sem dólares).

Saímos de lá e fomos para a Charme, que fica no Jebai Center. De Victoria´s Secret e Lancôme a tudo o que existe nesse mundão de Deus, achei um perfume Dior US$ 20,00 mais barato que na Monalisa. Original, seguro. A loja é meio maluquinha e você descobre que tem 3 andares, sendo um subterrâneo. Um dos andares dá direto pra rua, então não se assuste com o entra e sai atrás de você.

Seguimos para a Elegância e Nana Shop (são do mesmo dono e quase do lado uma da outra). A elegância é a que tem a maior variedade de Victoria´s Secret, porém os produtos custam de 1 a 3 dólares mais caro que nas outras. A Nana Shop tem uma infinidade de perfumes. Meu pai, que nem ligava para isso, saiu de lá perito em Hugo Boss e Jean Paul Gaultier. As vendedoras foram super bacanas com ele, explicaram, mostraram tudo, show. Nessas lojas, eu me arriscaria a dizer que você vai encontrar 60% do staff formado por brasileiros. Então nem precisa se esmeirar em portunhol nenhum. Do outro lado tem uma loja que só vende M.A.C.. É a única que vi só vende M.A.C.. Maravilha!

Existem no meio do caminho algumas lojas bem pequenas, que também vendem de tudo. Mais uma vez, o seu guia será o bom senso. Eu comprei St. Yves e Banana Boat numa dessas lojas e não me arrependi, mas fique atento: precaução nunca é demais. Nessa loja pequena que não lembro o nome, a vendedora só faltou me chutar. Falei mais alto, fui mais grossa, deixei bem claro que ela era extremamente mal educada e saí de lá com US$ 4,00 de desconto. Nem tudo no mundo das comprinhas é glamour….

No Lai Lai Center tem muita coisa boa, mas mais no setor de eletrônicos. Andando por lá você vai encontrar essa lojinhas que falei. Entre, mexa, teste. Não custa nada.

A Secret By Victorias fica no Barcelona Center, pertinho da Monalisa. Vende, óbvio, Victoria´s Secret, Guess, Bebe. Preços bacanas, bastante variedade. Atenção não só para os cosméticos mas também para as lingeries.

Passamos para o outro lado e, um pouco antes de chegar no Nave Shop, entramos na galeria Santo Domingo, paraíso do tinho (meu namorado) e seus jogos de PS3. Lá, comprei um depilador Satinelle por incríveis US$ 35,00. Acho que foi a melhor compra ever!

A Nave Shop é uma loja de departamentos gigante. Você deve deixar suas coisas num guarda volumes free. Nunca vi tanto L’Oreal e Revlon na vida. Preços? O que custa R$70,00 aqui custa US$ 18,00. Delineador Revlon por US$ 4,00. Sim, inacreditável. Vendedoras todas brasileiras, por dentro das tendências, entendidas mesmo do assunto. Um dos produtos que eu queria só tinha na cor marrom (e eu queria preto). A vendedora foi rapidão até o estoque, achou e ainda trouxe umas coisinhas legais junto, amei! Vale a pena conferir as outras seções dessa loja: casacos liiindos da Puma, eletrônicos para todos os gostos e bolsos, óculos de babar.

Eis aqui minhas comprinhas:

Um conselho final: procure se organizar. Eu sou píssica mesmo com esse tipo de coisa. Pesquisei na internet (algumas lojas tem listas dos produtos com preços no site), fiz minha lista com imagem dos produtos, cotação dos preços nos diferentes lugares, endereço e mapa para chegar nas lojas. Foram 9 páginas que me fizeram economizar muito tempo, sério mesmo. Fui lá de forma direcionada, sabe, e em menos de 4 horas compramos TUDO, inclusive os jogos do tinho e outros eletrônicos do meu pai. Outra vantagem de se organizar é que isso evita que você se perca nos gastos, gaste tudo no primeiro lugar, pague caro e fique de bico depois.

Para compras em geral, recomendo este site.  Você vai achar de tudo! Boas compras!

Foz do Iguaçu – Cataratas

6 ago

Agora, um pouquinho de Brasil! Imagina um lugar LINDO. Mas LINDO DE MORRER. Aliada a isso, trilha sonora zen, barulhinho de água. MUITA água. Com os olhos fechados, respingos refrescantes percorrem o rosto. Que lugar é esse meu deus??? A pergunta correta seria “que lugar de deus é esse???” Aqui você não vai encontrar nenhuma beleza arquitetônica, mas sim muuuita natureza. Estou falando das Cataratas do Iguaçu.

A palavra Iguaçu significa “água grande”, na etimologia tupi-guarani. As Cataratas ficam entre o Parque Nacional do Iguaçu no Brasil e Parque Nacional do Iguazu na Argentina. Os dois parques juntos totalizam uma área de 250 mil hectares com uma floresta subtropical. Foi tombada como Patrimônio Natural da Humanidade em 1986 pela Unesco.

São aproximadamente 275 quedas de água (!!!) dependendo do volume de água no Rio Iguaçu. As quedas tem alturas que superam 70 metros e a maior de todas é a Garganta do Diabo que tem uma altura de 80 metros e 150 metros de largura. Dá pra chegar beeem pertinho de helicóptero (caro: 10min sai cerca de R$ 250,00 por pessoa) e também de barquinho, via Macuco Safari (já falo dele).

Essa é a vista do lado brasileiro. Do outro lado, los hermanos.

O passeio para visitar as Cataratas do Iguaçu começa no centro de visitantes e segue pelo parque. Os preços são variados: os locais só pagam R$ 7,00; visitantes vindos de outros países do Mercosul R$ 31,00; brasileiros R$ 22,00; crianças e idosos tem preços diversificados.

No Centro de Visitantes você vai encontrar lojinhas lindas, que vendem quatis de pelúcia de diversos tamanhos e souvenirs em geral. Também tem uma loja da Amsterdam Sauer, com jóias com pedras lindíssimas!

Ingressos na mão, encaramos a fila para os ônibus. São vários, plotados com temas da fauna local – macaco, quati, oncinha (não vi nenhuma, by the way), arara.

Fomos em janeiro e estava um calor absurdo. Nublado e calor, sabe como? Optamos por ir no andar de cima, pra ter uma vista melhor e pegar um ventinho (lembrando que na parte de baixo tem ar condicionado).

A primeira parada é para quem quer fazer o passeio radical. Se você quiser fazer o Macuco Safari, é nela que você deve descer. O Macuco Safari é um bote (dos grandes) com motor e é o único que vai até a garganta do Diabo, o “miolo” das cataratas. Nem pense em sair dele seco. Não sei ao certo quantas pessoas cabem num bote, mas sei que custa R$ 140,00 por pessoa. Cuidado pra não molhar câmeras e celulares. A segunda parada é pra quem quer fazer uma trilha até as Cataratas. Na primeira vez que fui fizemos esse caminho, então não era novidade. Estava muito úmido e a trilha pode ser escorregadia nesses dias, mas nada de dar medo. É tudo muito seguro, com corrimão, concreto em algumas partes, bem tranqüilo. As crianças adoram essa trilha porque nela é possível encontrar trocentos quatis. Cuidado com comidas em geral, pois eles são bem atrevidos e pulam em você se estiverem afim do seu salgadinho. Não é difícil sair da trilha com a calça cheia de marca de patinhas!

A terceira parada foi onde descemos. Tem uma pracinha e um museu a céu aberto, onde vimos uma expo de fotografias (amo!).

Andamos um pouco e fomos ao que interessava. Pra variar, o local estava lotado de turistas japoneses munidos de suas Nikon no pescoço. Pegamos fila para descer no elevador panorâmico. Lá tem um pessoal com câmeras profissionais Nikon tirando fotos aleatórias. Tiram fotos suas sem você saber q depois te vendem se você estiver disposto a pagar. As fotos ficam expostas em monitores e, quando eu estava passando por um, vi uma foto minha e registrei! Ficaram de cara que eu “fotografei a fotografia” mas, e daí? Era eu mesma ali e me fotografaram, sem eu pedir, oras.

Olha ali……..hihihi.

Não preciso mencionar a sensação de ver toda aquela água correndo. Absurdamente lindo (como diria a Anna). Dá uma olhadinha no que você vai encontrar:

O calor estava insuportável e a água mega gelada respingava demais na gente, uma delícia! Você anda numa passarela de concreto e vai lá embaixo, no meio das cataratas, uma loucura. Na primeira vez, peguei um dia lindo de sol, desta vez, não tive tanta sorte, mas mesmo assim valeu a pena! E lembra o que eu falei dos respingos refrescantes? Então, esqueça a chapinha e bom passeio!!!

Mais informações sobre o Parque Nacional aqui.