Arquivo | 18:00

São Paulo – restaurantes

22 out

São Paulo tem zilhões de restaurantes, bares, pizzarias, botecos… toda vez que dou um pulo por lá, acabo conhecendo algum lugar novo. Na minha última viagem fiquei mais pelo bairro de Pinheiros e meus queridos anfitriões me apresentaram dois lugares ótimos.

Pita Kebab

R. Francisco Leitão, 282 | 11 3774 1719

Comida árabe num ambiente moderninho e aconchegante. A parte de trás é aberta, num ar de quintal bem bonitinho. No dia que fui choveu, então colocaram um toldo, mas o teto é alto e fica bem arejado.

Os pratos são bem servidos, dependendo do que você pedir dá pra duas pessoas. Os kebabs são ótimos, destaque para o de couve empanada – não conhecia, delicinha. O de falafel também é jóia. Você pode conferir o cardápio no site. Os preços são médios… não é super barato, mas nada tão absurdo também. Tá dentro do padrão paulista, que é um pouco mais caro do que o de Curitiba em tudo.

El Guatón

R. Artur de Azevedo, 906

Restaurante super simpático de empanadas chilenas. Além das empanadas assadas e fritas, servem pratos típicos, frutos do mar… Não comi, mas meus amigos recomendaram o Pastel de Choclo pra quem gosta de carne. É tipo uma torta quente de milho, carne, frango e mais outras coisas numa cumbuquinha. Você também vê o cardápio no site.

foto de divulgação

Eles tem uma carta legal de bebidas, com algumas cervejas internacionais, batidas, cocktails. Pra quem não curte alcool, os sucos são todos feitos de polpa de fruta. Entre as sobremesas, escolhi a torta de mil folhas com dolce de leite. Gostosa, mas não sou muuito de doce de leite.

 foto de divulgação

Os preços são bons, mais em conta que o Pita Kebab. Empanada, suco e sobremesa sairam por uns vinte reais…

Alguma dica de onde comer em Pinheiros?? Deixe um comentário!


Anúncios

Onde morar em Milão?

22 out

Na vibe do Naldo que postou sobre procurar apartamento em NY, lembrei que não tinha contado da procura de apartamento em Milão. Acho que a experiência pode ajudar futuros moradores da cidade, para ficarem mais tranquilos se não acharem nada ótimo via internet e se quando chegarem lá tiverem que visitar 800 lugares e passar por lugares meio duvidosos. Assim, fique tranquilo! É bem assim mesmo, mas todo mundo sobrevive!

Assim como o Naldo, comecei a dar uma olhada em sites aqui no Brasil mesmo, onde procurar não falta, mas sempre tive o pé meio atrás quando se tratava de fechar o aluguel de um apartamento sem nem vê-lo, negociando em outra língua e na maioria das vezes tendo que pagar no mínimo 2 aluguéis adiantados.

Acho que os mais famosos e confiáveis são o Kijiji, o Bakeca e o Affitto Milano. Lá tem opções com o intermédio de imobiliária e sem, direto com o dono, o que às vezes pode ser melhor. Assim como NY, Milão também é muito procurado e achar algo bom e barato é bem difícil, ainda mais no centro. A diferença é que a cidade é menor, então mesmo mais afastado, você não fica tão afastado assim. Os preços variam muito e eu ainda fui na pior época para procurar apê, setembro. É a pior data porque é quando começa o ano letivo, ou seja, todos os estudantes do mundo chegam em setembro atrás de lugar para morar, e acontece que lá você muitas vezes tem que fazer uma entrevista, tipo de emprego, bem tensa e concorrida para conseguir uma vaga.

Bem, já comentei que não quis fechar negócio daqui, então a opção foi ir pra lá, ficar na casa de amigos e bater perna. Cheguei e fiquei na casa de duas amigas, que moravam com mais outros 2 meninos em um apartamento para duas pessoas. Como todo mundo estava viajando, foi tranquilo e pude ficar lá por uns dias, mas já estava me incomodando aquela situação… ficar de favor e sem um espaço meu para abrir as malas.

Comecei a saga. Um bom lugar para achar boas ofertas são as faculdades. Eles penduram anúncios por tudo e as opções são boas até. Peguei vários papeizinhos e liguei, liguei, liguei. Dos 967 que liguei, uns 960 já tinham sido alugados. Os outros ou já estavam meio caros, mas ok né precisava morar em algum lugar, ou os lugares eram meio muito podres, ou teve entrevista.

O grande problema da Europa é que as casas são todas velhas (muito velhas), pequenas, velhas, sem elevador, velhas e… meio velhas assim. Os banheiros são absurdos, tem uns que dava vontade de chorar.

Fui visitar um no bairro do Naviglio, uma região bem bacana e tal. Lá moravam 4 italianas, nesses predinhos que você entra aí tem tipo uma pracinha comum e uma escada pros apartamentos, com sacada pro pátio. O prédio era uma graça, coisa mais italiana impossível, mas o apartamento era para UMA pessoa, e moravam na prática QUATRO. Um quarto e um banheiro, que além de minúsculo era habitado por cosméticos, shampoos e coisas de beleza. Sério, tinha mais produto que gente naquele cômodo.

Lá os preços são altos mesmo para os italianos por isso eles vivem mocados em lugares pequenos… ninguém pode pagar sozinho 1000 euros de aluguel, sendo que sempre tem que pagar 1 ou 2 aluguéis adiantados. É muito caro!

Bom, por uma “sorte”, uma das amigas da menina que estava me hospedando disse que tinha 2 vagas no apê dela, e fui voando ver! Quem alugava era uma brasileira mesmo, então era mais susse de negociar. O apê era mais novo pelo menos, tipo normal, mas tinha 1 quarto e 2 banheiros… para 6 pessoas. Exato, seis-pessoas. O aluguel era “por vaga”, coisa bem comum lá. Como já queria um lugar pra chamar de meu, aceitei. Era 250 euros por mês com tudo incluso, menos a internet que tínhamos que roubar do vizinho quando dava.

O casal dormia no quarto, pois já estavam a mais tempo no apê, e eu e mais 4 pessoas na sala-cozinha-quarto. Uhum, bem diver. Imagine que eu demoro eras pra dormir e tenho sono super leve. Eu quase não dormia naquele lugar, ainda mais porque se alguém acordava às 5h pra ir trabalhar, ia comer na cozinha, e logo, era obrigada a acordar. Pelo menos o metrô parava na frente de casa e tinha mercado bem pertinho.

Isso durou uns 2 meses mais ou menos, até umas amigas mexicanas me falarem que tinha vaga no apê delas, pois a chinesa que dividia teve que ir embora ou sei lá o que. Ai foi aquela dúvida cruel, porque o apartamento era bem melhor e maior, do lado da faculdade (que era meio longe – 11km do centro), não tinha metrô na frente, só o ônibus e era 250 euros + gás + luz + telefone, separados (mas a conta total nunca passava de 320). Tensotensotensotenso.

Dois dias de dúvida cruel me consumindo, analisando prós e contras e acabei aceitando. Melhor decisão ever! Dividia o quarto com 1 pessoa só e nos davamos super bem, além de que não precisava roubar internet do vizinho. Podia acordar mais tarde pra ir pra aula e voltar pra casa almoçar tranquilo, mercado e correio do lado, o prédio tinha salão de festas e fazíamos umas festinhas lá, o edifício também era bem mais novo e não estava caindo aos pedaços, e como sempre tinha evento na casa, mil pessoas acabavam dormindo por lá. Tinha épocas que as famílias iam visitar, ou amigos fazendo mochilão pela Europa e na conta ficávamos em 8 ou mais (vide mesa gigante no Natal – chique a luz de velas). Mas a situação era diferente do outro de 6 pessoas, porque aqui tinha espaço de sobra!

O apartamento não tinha muitos móveis, eram os essenciais de sobrevivência mesmo… mas fomos deixando com o nosso jeito, até compramos algumas coisinhas na IKEA pra deixar mais nosso. Hehe

No fim era sim um pouco mais caro, mas o conforto e ter um quarto ao invés de dormir na sala valeu a pena, sem contar toda a diversão que rolava na nossa casa!

E a dica que eu deixo é:

1. não feche nada por aqui, se der no máximo deixe agendado uma visita pra quando chegar;

2. as regiões mais centrais são as mais caras, não só pela localização, mas principalmente pelo que oferecem, mini quartos velhos e podres e com preços altíssimos (pense no custo-benefício);

3. não se preocupe se for morar mais afastado tipo eu, a cidade não é tão grande assim e você vai achar algum ônibus que vá pro centro ou até uma estação de metrô. Em 30 minutos você está no Duomo;

4. tente falar com amigos que já estão lá e/ou com os amigos que fizer assim que chegar, pois eles estão na mesma situação e podem ter uma oportunidade pra você;

5. se puder escolher entre pagar gás já no valor do aluguel, melhor. No inverno essa conta fica meio alta;

6. pague pra ter internet em casa, você vai usar muito pra falar com a família e com os amigos aqui do Brasil. E vai fazer diferença;

7. se estiver indo estudar através de convênio entre faculdades, tem casas de estudantes disponíveis. O valor é um pouco mais baixo – 240 euros a mais barata – e elas não são necessariamente perto da Universidade em si. O quarto é compartilhado e o espaço é bem menor, além da cozinha e da área de serviço. Se quiser economia MESMO, esse é o canal, mas lembre que a cidade é hiper procurada por estudantes e tem que reservar alguns meses antes através do escritório da própria escola que for cursar. Tem casas de estudantes mais tops, tipo Certosa… lá é bem vip, o prédio é novíssimo, os cômodos um pouco maiores, tem sala de ginástica e tudo. É bem novinho e limpinho e moderninho e carinho e meio longinho, ainda mais pelo preço, 550 euros no quarto compartilhado, com limpeza 1 vez por semana, internet e tv a cabo. Ainda paga-se 1 euro por máquina de lavar e 1 euro para máquina de secar.